Famílias protestam em Campinas, cidade paulista a 96 quilômetros da capital, contra iniciativa de bar de oferecer “bebida de graça para tomar até o corpo aguentar”. A Federação de Amor-Exigente e a Federação Brasileira de Comunidades Terapêuticas enviaram carta na quinta-feira, 2  de janeiro,  ao Prefeito Jonas Donizette alertando sobre os riscos à Saúde e à Segurança  do  “Dia  do Pingaiada”. O prefeito ainda não respondeu.LEIA O OFÍCIO ASSINADO PELO PRESIDENTE DA FEDERAÇÃO DE AMOR-EXIGENTE, MIGUEL TORTORELLI, E PELO PRESIDENTE DA FEBRACT, LUIZ ROBERTO SDOIA:

Ao Excelentíssimo Prefeito de  Campinas

Jonas Donizette (PSB)

Prezado  Senhor:

Em nome  de milhares  de  famílias  de  Campinas e  defendendo uma cidade  onde   Saúde e  Segurança  são valorizadas pela Prefeitura, pedimos sua  especial atenção e resposta  a  fato gravíssimo ocorrido em 2  de janeiro , na  cidade  que o senhor  administra: o “Dia do Pingaiada’, com distribuição  gratuita  em BAR  de vários tipos  de bebidas: “Catuaba selvagem, pinga, vinho e cachaça.Encher o copo e   tomar o máximo de bebidas destiladas que o corpo aguenta ”, descreve  reportagem em bar no Parque Jambeiro, publicada no dia 3  pelo CORREIO POPULAR, com destaque na primeira página.

Senhor Prefeito pedimos sua resposta à população por seis  preocupantes motivos:

  • não há nível  seguro para o consumo  de bebidas alcoólicas, alerta a Organização Mundial da  Saúde;
  • no Brasil, bebidas alcoólicas  causam  100 mil mortes  por  ano, revela estudo publicado em 2018   numa  das mais conceituadas  revistas  médicas no mundo, “The Lancet”;
  • pesquisa  da  Unicamp  alerta para os graves  riscos do consumo de bebida alcoólica, em alta em sua cidade: pesquisa da psicóloga Maria Piedade  de  Araújo Melo, conclui que “os  dependentes  de  bebidas alcoólicas e  de  outras  drogas têm CINCO VEZES aumentado o risco de desenvolver  transtorno do pânico durante o uso da bebida ou de outra droga”. E a psicóloga  adverte: “O uso do álcool está presente em todos os casos de transtorno do pânico, que  tem como sintomas  sensação  de morte iminente, vertigens, sensação  de  terror, dor no peito, ritmo cardíaco acelerado, pensamento confuso e medo  de  enlouquecer”;
  • dezenas  de  estudos no Brasil  provam que bebidas alcoólicas  são  causas de 21 doenças: câncer  (boca, garganta, laringe, esôfago, fígado, cólon, intestino e mama), pancreatite, hepatite,cirrose,úlcera, gastrite,infarto(até em pessoas  que não têm histórico familiar de doenças cardíacas ou outros fatores de risco),depressão, impotência , infertilidade, demência, pelagra ( pele acastanhada em diferentes partes do corpo, como face e mãos, e que geralmente provoca coceira frequente e diarreia constante), neuropatia alcoólica (podendo  causar  até atrofia muscular) e anemia;
  • além de  todos esses riscos, há outro mais rápido:  quando a pessoa bebe muito, área do cérebro afetada pelo efeito tóxico do álcool pode desligar funções vitais, como a que controla a respiração e o coração e, em consequência, pulmão e os batimentos, podem parar, alerta o médico  Paulo Olzon, clínico da Escola Paulista de Medicina;
  • não podemos  esquecer  que  bebida alcoólica está associado a casos de violência, desordens familiares, sociais e profissionais, acidentes de trabalho e de trânsito.

Toda  esta  conta, Senhor Prefeito, vai ser cobrada  no aumento de doentes  graves para  atendimento em seus postos de  Saúde e hospitais públicos. Além da necessidade  de triplicar os  esforços  de seu governo para  atender e  recuperar casos  com índices cada vez mais crescentes de alcoolismo  em Campinas.

Portanto, são iniciativas como esta,“Dia  da Pingaiada”, que colocam em cheque seus programas de Saúde  e Segurança.

Acreditamos que seus programas  de  governo não estão de  acordo com o “Dia  da Pingaiada”. Por  isso , temos certeza de que sua resposta à  Federação de  Amor  -Exigente  e à Federação Brasileira das Comunidades  Terapêuticas população  de  Campinas  será rápida e  efetiva no sentido de proibir fato grave como este  que cultiva, alimenta e aumenta o número de alcoólatras na cidade  que o senhor administra.”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *